20 de ago de 2012

[curiosidades] 21 livros de autores brasileiros que viraram filmes


Diversos filmes brasileiros foram inspirados em livros de literatura ou até mesmo na história da nação. Confira abaixo alguns dos livros que receberam adaptações para o cinema:

COMO ERA GOSTOSO O MEU FRANCÊS (1971)
Direção: Nelson Pereira dos Santos
Elenco: Ana Maria Magalhães e Arduino Colasanti
Música de Villa-Lobos.
Fase colonial

No século XVI, francês é capturado por índios Tamoios na costa brasileira. Depois de conviver com eles e se envolver com uma índia, acaba destinado a ser o prato principal em uma comemoração antropofágica. A abertura do filme apresenta textos quinhentistas que serviram com base histórica para o enredo, inspirado em partes pelos relatos autênticos de Hans Staden e em diversas crônicas de viagem da época.


GANGA ZUMBA (1964).
Direção: Cacá Diegues.
Elenco: Antônio Pitanga, Luiza Maranhão, Eliezer Gomes.
Período Barroco


História de Zumbi, o líder do quilombo de Palmares, fundado por escravos revoltados do nordeste brasileiro no final do século XVII. Paralelo intencional entre a opressão dos negros e a situação (brasileira e latino-americana) na década de 60.


OS INCONFIDENTES (1972)
Direção: Joaquim Pedro de Andrade
Elenco: José Wilker, Paulo Cesar Perreio, Fernando Torres.
Período Arcadismo


O filme conta a história da Inconfidência Mineira, conjuração do século XVIII que visava a independência do Brasil, resultando no enforcamento de Tiradentes. É uma tentativa de paralelo com a situação da época em que o filme foi feito – O B rasil do regime militar. Os diálogos reproduzem fielmente passagens das Cartas Chilenas e de Marilia de Dirceu (Tomás Antônio Gonzaga), doRomanceiro da Inconfidência (Cecilia Meireles) e dos autos da devassa.


XICA DA SILVA (1976)
Direção: Cacá Diegues
Elenco: Zezé Motta, Walmor Chagas, José Wilker
Período Arcadismo


Um contratador de diamantes é enviado a Minas no século XVIII para explorar pedras preciosas. Ele se apaixona pela escrava Xica, concede-lhe alforria e a trata como rainha, provocando escândalo na cidade.


A MORENINHA (1971)
Direção: Glauco Mirko Laurelli
Elenco: Sonia Braga, David Cardoso, Carlos Alberto Riccelli.
Período Romântico


Musical feito na base do romance de Joaquim Manuel de Macedo; se passa no Rio de Janeiro do século XIX. Sonia Braga, em seu primeiro filme, é dublada nas canções.


SENHORA (1976)
Direção: Geraldo Vietri
Elenco: Elaine Cristina e Paulo Figueiredo.
Período Romântico


Dramalhão em adaptação atualizada do romance de José de Alencar. A historia original, que se passa no século XIX, é sobre uma pobre jovem, Aurélia, que herda uma fortuna e compra um marido, Seixas.


O SEMINARISTA (1977)
Direção: Geraldo Santos Pereira
Elenco: Louise Cardoso, Eduardo Machado, Raul Cortez.
Período Romântico


Adaptação do romance de Bernardo Guimarães, onde um jovem prestes a ser ordenado padre, decide renunciar ao sacerdócio por seu amor de infância.


O GUARANI (1979)
Direção: Fauzi Mansur
Elenco: David Cardoso e Dorothee-Marie Bouvier.
Período Romântico


Adaptação da obra de José de Alencar, narrando o envolvimento entre a branca Ceci e o Índio Peri. A mesmo obra foi refilmada em 1996, com direção de Norma Benguell. Com Gloria Pires, Hérson Capri e José de Abreu. Destaque para as belíssimas locações e para a trilha sonora, cujas musicas incidentais são trechos da famosa opera de Carlos Gomes.


IRACEMA (1979)
Direção: Carlos Coimbra
Elenco: Helena Ramos
Período Romântico


Versão do romance de José de Alencar, com diálogos literários e batalhas mostradas em desenho para reduzir custos de produção.


Direção: Walter Lima jr
Elenco: Fernanda Torres e Edson Celulari
Período Romântico


Adaptação do romance do Visconde Taunay. Narra o envolvimento amoroso entre o curandeiro Cirino e a jovem Inocência, prometida em casamento por seu pai ao sertanejo Manecão.


CARLOTA JOAQUINA, A PRINCESA DO BRASIL (1995)
Direção: Carla Camuratti
Elenco: Marieta Severo e Marco Nanini
Período Romântico


Narrativa bastante caricatural sobre a instalação da corte portuguesa no Brasil, em 1808, após a entrada das tropas de Napoleão em Portugal. Filme interessante como contraponto a Memórias de um sargento de milícias, romance que mostra a vida cotidiana do “povão” da mesma época.


O CORTIÇO (1977)
Direção: Francisco Ramalho Jr
Elenco: Betty Faria, Armando Bogus, Mário Gomes
Período Naturalista


Adaptação do romance de Aluísio Azevedo. Num cortiço do Rio de Janeiro, no século XIX, um português e uma jovem brasileira se envolvem.


O COMPRADOR DE FAZENDAS (1951)
Direção: Alberto Pieralisi
Elenco: Procópio Ferreira e Henriette Morineau
Periodo


Adaptação do conto de Monteiro Lobato. Ao ver sua fazenda em ruinas, um escroque tenta vende-la a outro, que se apresenta como milionário, mais não pode pagar pelo imóvel.


A GUERRA DE CANUDOS (1997)
Direção: Sérgio Rezende
Elenco: José Wilker, Marieta Severo e Paulo Berti
Periodo


Inspirada na obra de Euclides da Cunha “Os sertões“. No filme, a guerra serve de pano de fundo para a história de uma família de sertanejos que decide seguir Antônio Conselheiro depois de ouvir suas pregações.


POLICARPO QUARESMA (1997)
Direção: Paulo Thiago
Elenco: Paulo José, Giulia Gam e Sérgio Mamberti
Periodo


Adaptação da obra Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto.



BAILE PERFUMADO (1997)
Direção: Paulo Caldas e Lirio Ferreira
Elenco: Duda Mamberti, Luis Carlos Vasconcelos, Zuleika Ferreira e Giovanna Gold
Periodo


Cinebiografia do Libanês Benjamin Abrahão, o único a filmar Lampião e seu bando. Além de mostrar as mortes de Padre Cícero e Lampião, enfoca o aburguesamento do cangaço e a modernização do sertão.


GAIJIN – OS CAMINHOS DA LIBERDADE (1980)
Direção: Tizuka Yamasaki
Elenco: Kyoko Tsukamoto, Antônio Fagundes, Gianfrancesco Guarnieri, José Dumont
Semana de Arte Moderna


Filme sobre a história dos imigrantes japoneses no Brasil e suas relações com os italianos e os nordestinos.


O QUATRILHO (1995)
Direção: Fábio Barreto
Elenco: Patricia Pillar, Glória Pires, Bruno Campos, Alexandre Paternost
Semana de Arte Moderna


Adaptação do romance de Clemente Pozenato sobre a imigração italiana no Rio Grande do Sul. Dois casais de amigos se desfazem quando um dos homens se apaixona pelo mulher do outro. Embora ambientado no sul do pais, o filem é interessante por mostrar aspectos do momento histórico abordado. Indicado para o Oscar de melhor filme estrangeiro.


ETERNAMENTE PAGÚ (1987)
Direção: Norma Benguell
Elenco: Carla Camuratti, Antônio Fagundes e Esther Góes
Semana de Arte Moderna


Patrícia Galvão, a Pagú, musa dos intelectuais das décadas de 20 e 30, escandalizou a burguesia com sua maneira de pensar, absolutamente não-convencional. O filme trata de seu engajamento político, da amizade com a pintora Tarsila do Amaral e de seu romance com o escrito Oswald de Andrade.


MACUNAÍMA (1969)
Direção: Joaquim Pedro de Andrade
Elenco: Grande Othelo, Paulo José, Dina Sfat, Jardel Filh
Movimento Modernista


Adaptação livre do romance de Mário de Andrade. Conta as aventuras de Macunaíma “o herói sem nenhum caráter” na selva, e depois na cidade grande.

Fonte: Livronauta

0 comentários:

Postar um comentário