4 de jul de 2012

Livro conta história de judeus que caçaram nazistas no pós-guerra


Nos últimos momentos da Segunda Guerra, quando a Alemanha começou a mostrar sinais de uma inevitável derrota, líderes nazistas perceberam que poderiam pagar pelos atos e procuram se esconder em algum canto esquecido. Contudo, um grupo de judeus, no melhor estilo "Bastados Inglórios", percorreu o mundo à caça de seus agora acovardados algozes. Essa história é contada por Rubens Paulo Gonçalves no livro "Os Carrascos Estão Mortos".


Reprodução


Acerto de contas entre judeus e nazistas começou na América
Siga a Livraria da Folha no Twitter
Conheça nossa página no Facebook
Monte sua estante com obras sobre a 2ª Guerra
Maior salvador do Holocausto morreu na miséria
Você mataria Hitler?


Longe da Europa, alguns países da América Latina --governados por Perón, Stroessner e Vargas-- surgiam como um paraíso tropical para a aposentadoria tranquila.


A confiança de que o outro lado do Atlântico lhes propiciaria o anonimato, provocou uma evasão de oficiais do Terceiro Reich para esta região do planeta.


Adolf Eichmann, temendo que seu nome estivesse no topo da lista de criminosos de guerra dos Aliados, mudou-se para a Argentina, adotando o nome de Ricardo Klement. Josef Mengele, o "médico-monstro dos campos de concentração", veio ao Brasil.


Especula-se que até Adolf Hitler tenha debandado para o sul em submarinos, após fraudar a sua morte. Um pedaço de crânio com uma perfuração de bala que foi, durante décadas, a prova cabal da morte do ditador alemão. Porém, a Universidade de Connecticut, recorrendo a um teste de DNA, provou que não pertencia a Hitler. Reabrindo o debate de sua fuga.


Depois de um longo período de investigação, no dia 11 de maio de 1960, israelenses encontraram e sequestraram Eichmann, uma das primeiras missões do Mossad (serviço secreto israelense). O ex-oficial nazista foi levado para Israel dez dias depois. Seu julgamento começou em abril de 1961.


Condenado à morte, sua sentença foi executada no dia primeiro de junho de 1962. Inspirada pelo processo, Hannah Arendt (1906-1975), filósofa alemã de origem judaica, escreveu "Eichmann em Jerusalém". A procura de Mengele continuou.


Gonçalves, fundamentado em pesquisa e depoimentos, recria esse momento em formato de romance histórico.


*
"Os Carrascos Estão Mortos"
Autor: Rubens Paulo Gonçalves
Editora: Novo Século


Fonte: Livraria da Folha

0 comentários:

Postar um comentário