20 de jul de 2012

[sexta turística] O segredo de cativar

Talvez um dos mais perfeitos conceitos sobre amizade tenha sido registrado em um livro, na antológica cena em que o inocente menino viajante pergunta à maliciosa raposa "o que é cativar". A resposta da raposa é simples: "Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu também não tens necessidade de ti. E tu também não tens necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...".
O Pequeno Príncipe, do escritor francês Antoine Saint-Exupéry, imortalizou em suas páginas a pureza de um sentimento que virou até data comemorativa. Por isso, o Eu Amo Livros selecionou três dicas para celebrar esse dia. O primeiro, é claro, O Pequeno Príncipe, com sua descoberta do segredo de cativar. O segundo é outro clássico, Dom Quixote, a aventura em que o companheirismo salva. O terceiro é a novidade nas livrarias A Culpa é das Estrelas, a redescoberta do valor da amizade. Escolha o seu preferido e embarque nessa viagem com seus grandes amigos!

O Pequeno Príncipe devolve a cada um o mistério da infância. De repente retornam os sonhos. Reaparece a lembrança de questionamentos, desvelam-se incoerências acomodadas, quase já imperceptíveis na pressa do dia-a-dia. Voltam ao coração escondidas recordações. O reencontro, o homem-menino. Pela mão do pequeno príncipe, recupera a meninice abrindo uma brecha no tempo, volta a sentir o perfume de uma estrela , a ouvir a voz de uma flor, a ver o brilho de uma fonte, escutar os guizos das folhas batidas pelo vento. Quebra-se por momentos a crosta que generaliza o outro em todos e torna as coisas comuns e iguais para se descobrir os carneiros dentro das caixas, os elefantes dentro das serpentes. Uma leitura inesquecível para todas as idades. (Fonte: Sinopse do Livro)





Obra concebida como novela curta e escrita em duas partes distintas, Dom Quixote foi inspirado em um caso real de loucura. Opondo-se à irrealidade das novelas de cavalaria, ainda muito lidas na Espanha da época, Cervantes teria pretendido fazer uma sátira dessa "propaganda" cavaleiresca e dos que se armavam cavaleiros às cegas. Mas a caricatura de um estilo fantasioso se transformou no retrato da aventura humana, no perfil do homem dividido entre o sonho e a realidade. A influência de Dom Quixote - uma das maiores obras-primas da literatura de todas as épocas - estendeu-se, através do tempo, a escritores, pintores, escultores, dramaturgos, cineastas, músicos, cada um dando sua versão pessoal do "cavaleiro da triste figura" e de seu fiel escudeiro: Dom Quixote e Sancho Pança. (Fonte: Editora Martin Claret)


Em A Culpa é das Estrelas, Hazel é uma paciente terminal de 16 anos que tem     câncer desde os 13. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas. (Sinopse: Editora Intrínseca)




0 comentários:

Postar um comentário